Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Noticias 2017 Julho Reajuste nos preços dos planos de saúde afeta IPC de Maceió
11/07/2017 - 14h35m

Reajuste nos preços dos planos de saúde afeta IPC de Maceió

De acordo com a Seplag, grupo que mais influenciou para a elevação do índice, que teve variação de 0,22%, foi o de Saúde e Cuidados Pessoais

Reajuste nos preços dos planos de saúde afeta IPC de Maceió

Índice apresentou variação de 0,22% no custo de vida dos maceioenses

Texto de Minne Santos

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) referente ao mês de junho de 2017 apresentou uma variação de 0,22% no custo de vida dos maceioenses. O levantamento foi divulgado nesta terça-feira (11), pela Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag).

De acordo com a Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (Sinc) da pasta, o grupo que mais influenciou a elevação do índice foi o de saúde e cuidados pessoais, obtendo uma variação de 0,95%.

“O reajuste nos preços dos planos de saúde e o aumento dos preços dos produtos farmacêuticos foram fatores essenciais para a variação apresentada. Além disso, outro grupo que influenciou no resultado geral foi o de alimentação e bebidas, com 0,54%. Nesse caso, os motivos foram as condições climáticas que ocasionaram queda na produção do feijão carioca e, consequentemente, uma diminuição de sua oferta”, explica o supervisor de Estudos e Análises da Seplag, Gilvan Sinésio.

Cesta Básica

Outro ponto destacado pelo levantamento e que também pesa no bolso do maceioense é a questão da cesta básica alimentar. Segundo os dados da Sinc, no mês de junho, a cesta comprometeu um percentual de 35,79% do salário mínimo atual, crescendo 1,99% em relação a maio deste ano.

“Durante o levantamento, identificamos que a grande responsável por esse crescimento foi a variação de 8,25% do feijão. No final das contas, a aquisição da cesta básica obteve um custo de R$ 335,33 para a alimentação pessoal do trabalhador maceioense”, ressalta o supervisor.

Ainda de acordo com Gilvan Sinésio, a queda de -16,32% do tomate foi um dos comportamentos que mais se destacaram na cesta. Segundo ele, o fruto teve sua maturação acelerada devido às condições climáticas, o que fez com que a oferta do produto subisse no mercado.

Para conferir a pesquisa completa, acesse o site Alagoas em Dados e Informações clicando aqui.

Ações do documento